Alguém está sempre mencionando uma nova descoberta ou um método científico revolucionário para tudo na vida. Mas nem sempre esses conhecimentos divulgados boca a boca têm algum embasamento.
Tire a dúvida, conhecendo alguns fatos já estabelecidos como verdadeiros ou falsos pela ciência médica

 

 

Bebidas isotônicas se compõem, basicamente, de água com sucrose, glicose (açúcares), sal, citrato de sódio (sais) e corantes. Para quem pratica exercícios, especialmente os prolongados ou mais pesados, com transpiração intensa, beber isotônicos ajuda a repor os eletrólitos perdidos durante a atividade física – e os eletrólitos têm a importante função de conduzir os impulsos elétricos no organismo

 

Isotônico não é refrigerante. Bebido sem critério, faz mal. Produz um acúmulo de sal que, somado ao das refeições do dia-a-dia, pode aumentar a pressão arterial de indivíduos sensíveis. E quanto mais sal se ingere, mais cálcio se elimina, o que não é bom em nenhuma idade. Ao contrário do que muitos imaginam, não contém suco de frutas: a informação está lá, escrita no rótulo, mas em letras pequenas

 

Há risco nessas dietas, ao contrário do que se divulga, principalmente quando feitas por longos períodos. Podem causar cansaço e falta de energia, lesões renais, perda muscular, aumento de massa gordurosa e diminuição da massa magra, osteopenia, osteoporose e altas taxas de purina, substância que predispõe à gota. Portanto, todo cuidado é pouco antes de se decidir por uma dieta desse tipo.

 

Dietas à base de gorduras, como a do dr. Robert C. Atkins, têm suas vantagens: perda rápida de peso, inibição do apetite, baixa dos índices de triglicérides e, encerrada a dieta, recuperação menor dos quilos perdidos. Mas só devem ser feitas sob supervisão médica e com suplementação de vitaminas e sais minerais, sendo mais indicadas para períodos curtos e pessoas que não apresentem problemas cardiovasulares.

 

O teflon pode não ser tão inofensivo para a saúde. Um dos seus componentes (o PFOA), além de não se degradar ambientalmente, está relacionado a casos de câncer e ao nascimento de bebês com deficiências. Para não correr riscos, na hora de cozinhar, sempre que possível, prefira panelas de aço inoxidável. As de porcelana e cerâmica também servem, desde que sejam de boa procedência, para evitar intoxicação por chumbo.

 

Revestimentos antiaderentes para panelas inegavelmente têm o mérito de permitir o preparo de pratos sem o uso excessivo de gorduras. Desde 1944, quando foi descoberto, o chamado teflon – que é a sigla para o composto químico politetrafluoratileno – vem conquistando adeptos nas cozinhas. Mas para que seu uso seja adequado, é fundamental não submeter as panelas revestidas com esse material a altas temperaturas.

 

 

A eficiência das estatinas na diminuição da mortalidade em pacientes com altos níveis de colesterol vem sendo desmentida por inúmeros estudos. O que se constata é que o uso desses medicamentos está relacionado a graves efeitos colaterais, como lesão hepática, danos neurológicos e cognitivos, perda de memória e câncer.

 

 

A prática de exercícios, o consumo de frutas e verduras, a suplementação de algumas vitaminas e minerais e o controle do peso, de fato, são eficientes fatores de proteção contra o risco de doença cardiovascular. Para completar, evite o cigarro e ingira regularmente um pouco de vinho tinto de boa qualidade.

 

 

Sal é essencial para a saúde. Ele garante a transmissão de impulsos nervosos, participa das contrações musculares (inclusive do coração), favorece o fluxo de nutrientes pelo organismo, ajuda na digestão e controla a fermentação dos alimentos. Um corpo saudável contém cerca de 250 g de sal. A quantidade de sal perdida através do suor é normalmente reequilibrada pela alimentação diária.

 

 

Excesso de sal não leva ao aumento da pressão arterial para muitas pessoas. Assim, cientistas concordam que orientar a população em geral a reduzir o sal pode não dar resultados significativos. Curiosidade: estudos apontam que quem consome sal em grande quantidade vive mais do que os consumidores moderados. Mas qualquer conexão entre sal e longevidade deve levar em conta a dieta de cada um

 

A eficiência e a segurança da aspirina, como anticoagulante, têm sido supervalorizadas. Na prevenção de eventos vasculares não-fatais sua ação é quase nula. Em baixas doses, é responsável por cerca de 30% das hemorragias gastrointestinais em pacientes idosos. Após infarto do miocárdio, não há alteração nos índices de mortalidade, mas aumentam os riscos de morte súbita.

 

Aspirina não faz milagres. Na prevenção de problemas causados pela aterosclerose, perde em eficiência para outras drogas. Oferece seguros benefícios quando usada por pouco tempo, mas há riscos em longo prazo. Aos hipertensos que se automedicam e se julgam protegidos por ela, um aviso: procurem orientação médica, pois seu uso pode desencadear sangramentos graves

 

Vitamina E é um potente antioxidante que protege as membranas celulares e reduz o risco de doenças cardíacas. Para ser bem assimilada, precisa de gordura. Tomar uma cápsula de vitamina E (400 iu) com um copo de leite desnatado ou uma xícara de café, por exemplo, resulta em baixa absorção. Ingeri-la numa refeição com algum tipo de gordura, de preferência insaturada, aumenta sua concentração no sangue em até 25 vezes.

 

Vitamina E sintética não apresenta a mesma performance que a natural, assimilada com maior facilidade e eficiência pelo organismo. A forma sintética da vitamina E é eliminada três vezes mais rapidamente do que a natural e seu nível de concentração no sangue é sempre mais baixo. Ao comprar sua vitamina E, observe o rótulo: costuma-se identificar a natural pela letra d (d-alfa tocoferol, d-alfa tocoferil), e a sintética, por dl.

 

A ameaça de enfarte pode ser detectada precocemente. Hoje, há um grande número de exames preventivos que indicam riscos cardíacos e apontam a necessidade de uma mudança no estilo de vida para suprimir o perigo. Alimentação correta, controle de peso, suplementos antioxidantes, exercícios moderados e tempo para lazer são os seus melhores aliados nessa batalha.

 

Um início de enfarte, ao contrário do que se acredita, nem sempre é identificável. Seus sintomas podem sugerir outras doenças, como crise de vesícula e refluxo gástrico. Os mais comuns são queimação no estômago, eventual diarréia, vômito, sudorese, dificuldade de respiração e dor intensa no peito, que se irradia pelo braço esquerdo até o punho. Na dúvida, procure socorro rapidamente

 

Azeite de oliva é rico em ácidos graxos que reduzem o colesterol. O ideal é usá-lo no tempero de saladas e de outros alimentos frios. Quando o azeite é aquecido, porém, seus ácidos graxos se degradam facilmente, tornando-se tóxicos. Para frituras e cozimentos, portanto, prefira gorduras pobres em ácidos graxos. É o caso da manteiga e dos óleos de coco e de dendê.

 

Margarina não é melhor do que manteiga para a saúde. Pelo contrário: ela induz à geração de radicais livres, diminui o bom colesterol e aumenta o ruim. Pesquisas realizadas na Finlândia relacionam seu consumo ao maior risco de desenvolvimento de doenças alérgicas, como a asma. A causa são as altas quantidades de gordura trans resultantes de seu processamento.

 

Vitaminas não engordam: geram energia, não caloria. São vitais para as transformações químicas que ocorrem no organismo, garantindo um metabolismo normal. Dieta equilibrada é essencial para se manter “vitaminado”, bem como suplementos alimentares, se necessário.

 

Exercícios físicos aumentam a oxigenação das células. Como 5% do oxigênio respirado transformam-se em substâncias tóxicas, os radicais livres, cuidado: o exagero acelera o envelhecimento. Assim, nada de excessos. Bastam 40 minutos diários para manter a forma.

 

Caixa de texto: voltar

Verdades e Mentiras — Dr. Rondó